18 junho 2013

4

Cinema, pipoca e Imaginação: Somos tão jovens


Diretor: Antônio Carlos da Fontoura
Elenco: Thiago Mendonça, Laila Zaid, Bruno Torres, Bianca Comparato, Sandra Corveloni, Marcos Breda, Conrado Godoy e Olívia Torres. 
Produção: Luiz Fernando Borges
Gênero: Drama, cinebiografia
Duração: 104 min.
Ano: 2013
País: Brasil
Distribuidora: Fox Film, Imagem Filmes
Classificação: Livre
Sinopse: "O jovem Renato Russo não tem tempo a perder: sonha ser um astro do rock. Mas ainda é cedo. Ele precisa estudar, dar aulas de inglês, tranquilizar os pais, curtir a turma, curar dores de amor e, principalmente, arrumar quem toque na sua banda. Do Aborto Elétrico à Legião Urbana, “Somos Tão Jovens” apresenta os primeiros acordes do mito Renato Russo e da turma do Rock Brasília, criadores de sucessos como “Que País é Este”, “Geração Coca-Cola”, “Eduardo e Mônica” e muitas outras músicas que marcam e transformam fãs geração após geração, iniciando a trajetória que a tornará a maior banda do Rock Brasil e Renato Russo o porta-voz da juventude urbana do país inteiro."

Renato Russo foi um ícone da geração rebelde dos anos 70. Ele foi o ídolo de uma geração. Apesar de todos os protestos do cantor, o líder da Legião Urbana era quase cultuado como um deus (o nome do filme seria Religião Urbana, mas dona Carminha não gostou e sugeriu o "Somos tão jovens"). Eu, apesar de ser pós-geração coca-cola, tenho em Renato Russo um modelo, mas não daqueles que você imita até o modo de se vestir. Tenho em Renato um exemplo do que foi revoltar-se, amar e sofrer com o coração. Somos tão jovens, cinebiografia dramática da adolescência de Renato Russo, fala de uma fase punk e pós-punk dos jovens de uma Brasília sufocada pela ditadura e do caminho trilhado para a criação de uma das maiores bandas de rock dos anos 80 no Brasil.

Não vou contar o enredo do filme ou dar explicações técnicas sobre produção. Apenas minha opinião de fã da banda e reles mortal. Muito do que sabemos sobre Renato Russo é mostrado nas telas neste filme. Desde sua doença (epifisiólise) até o primeiro show da Legião Urbana no Circo Voador, no Rio de Janeiro, o filme nos leva a uma Brasília em plena ditadura. Os jovens estavam cansados da vida regrada. O punk estourara na Europa e aqui no Brasil simplesmente nos acomodávamos com o que tínhamos (sim, isso há 31 anos atrás. Lembra algo?). Temos um Renato jovem, e aqui tenho que cair no lugar-comum de elogiar Thiago Mendonça pela interpretação impecável dos trejeitos do cantor, cheio de sonhos e expectativas. Temos um Renato depressivo, cheio de excessos e mostrando todo o seu narcisismo. Temos Aborto Elétrico. Temos um Fê Lemos e um Flávio Lemos mostrados como realmente deveriam ser: não só como membros do Capital Inicial, mas parte da história do rock brasiliense. Temos uma Ana Cláudia (interpretada pela Bel Laila Zaid) como a representação das mulheres de Renato e sua melhor amiga.

A ideia do filme é interessante e dinâmica. Você não para em momentos de ar morto. Não há dispersão. Tudo acontece muito rápido. As caracterizações e cenários são bastante realistas. Não vejo o problema de diálogos estúpidos que todos falam por aí (apesar de me incomodar uma ou duas vezes com o modo forçado, admito, das falas tentarem justificar o nome e/ou letra das músicas de Renato). Todos os números musicais vistos em cena foram gravados ao vivo nas filmagens. Foi o próprio Thiago Mendonça quem cantou as músicas de Renato Russo em cena. Está muito bom! Esperem ouvir músicas clássicas dos primeiros anos da banda e do tempo do trovador solitário de Renato. Eu chorei (mesmo)!

Acho que tudo é válido. O objetivo, de mostrar a revolta de uma juventude, não só de um jovem cantos, foi alcançado. Não somos mais a geração coca-cola, mas estamos bem próximo, ainda. E aí? Gostou? Vale comentar o que achou?

4 comentários:

  1. Olá!

    Amo a voz do Rento e suas letras, ele era, de fato, maravilhoso, ainda que tivesse tantos problemas. Quanto a juventude, realmente, foi uma época bem difícil. Bem, o que posso dizer é que quero muito assistir a esse filme! Gostei do seu ponto de vista sobre.

    Beijo!

    ResponderExcluir
  2. Assisti a esse filme no cinema e simplesmente adorei!! O ator que faz o papel do Renato conseguiu incorporar muito bem os trejeitos dele! Um dos meus filmes brasileiros favoritos!! *___*

    Leitora Compulsiva
    http://olhoscastanhostambemtemoseufascinio.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Oiiii Lipe, tudo bem?
    Eu assisti esse filme algum tempo, logo quando saiu do cinema, e me encantei profundamente, realmente me lembrei bastante do Renato Russo em algumas partes e isso me emocionou, sou muito fã dele.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  4. eu sou curiosa pra assistir, mas até o momento não tive chance. Apesar de curtir bastante a banda, não me considero super fã e talz, mas sei da importância da banda no cenário brasileiro, e na época em que surgiu... enfim... a resenha me deixou com mais vontade de assistir... vou tentar ver online, sla... de alguma forma...
    bjs...

    ResponderExcluir

 
© Copyright 2015. Template by LuMartinho.