08 julho 2013

14

Diários de um RPGista: hobbits ladinos e mochilas


Olá, meus caros!

Estou abrindo uma nova seção aqui no blog que espero que interesse alguns. Conversei bastante com Déborah e acho que seria interessante compartilharmos nossas experiências. Decidi abrir o meu diário com minha primeira experiência traumatizante de jogar RPG. Na verdade, acho que todas as primeiras experiências nesse ramo são traumatizantes...

Tenho vinte e quatro anos de idade. Destes, 40% passei jogando ou narrando em sessões de RPG. Pode perguntar pra qualquer um que gosta do jogo como a primeira sessão a gente nunca esquece. Lembro de estar, no auge de meus quatorze anos, sentado em frente à TV depois de chegar do colégio. A televisão desligada (sim, desligada. Eu ficava apenas sentado, pensando na vida) na área de casa ficava me fazendo companhia, pois eu estudava pela manhã e meus irmãos, à tarde. Um amigo meu, Maycon, bateu na porta de casa e perguntou se eu não queria jogar RPG. Eu perguntei qual o console e se dava para jogar com duas pessoas. Ele, prontamente, disse que não era no vídeo game, mas com papel e lápis.

Tormenta 3ª edição
Mágico. Impensável. Novo. Fui aprender do que se tratava aquele jogo. Meu primeiro mestre foi Anderson Brasil. Lembro como se fosse ontem ele nos explicando o que era o jogo, que iríamos descrever ações e que o cenário ficaria todo na nossa mente. Lembro de ler o livro pela primeira vez. Era Tormenta 3ª edição, da editora Daemon, que utiliza um sistema próprio (que chamamos de Daemon ou sistem Trevas). Aquilo era muito novo para mim. Poderia ser quem eu quisesse! Sempre tive uma imaginação bastante fértil (o que o diga de um menino que fica filosofando em frente à tava desligada, né?) e achei que seria uma experiência muitíssimo interessante. Lendo as raças de personagem, escolhi o Hobbit (ou Halfling). Na época eu não era um leitor como sou hoje e nem era tão informado sobre mitologias fantásticas ou algo do tipo. Gostei do Halfling pela descrição da raça, que mesmo sendo criaturas pequenas, eles eram determinados e espertos. Quis interpretar uma raça menor por acreditar num ideal que elas representavam. O kit de personagem (ou classe, ou profissão) que escolhi foi o Ladrão. A raça escolhida era pequena, então eu achei que faria sentido. O interessante é que na época eu não havia lido O Hobbit, caso contrário pareceria uma imitação do Bilbo! 

Conheci meus companheiros no outro dia. Além do Mestre, Anderson, e de meu amigo, Maycon (que fizera um Troglodita - espécie de homem-lagarto - ladrão), também jogaram comigo Talita, cuja personagem era uma maga meio-elfa, Mateus, que fizera um humano guerreiro e Iale, que construíra uma meio-elfa paladina. Eles foram pessoas muito importantes nessa fase de minha experiência como jogador. Quando iniciamos a narrativa e eu falei que fizera um hobbit, as meninas enlouqueceram. Diziam que eu era "muito fofinho para andar por aí" e que "era melhor" colocar o pequeno na mochila para não se machucar. Durante toda a sessão, meu personagem ficou dentro de uma mochila e eu fiquei com cara de tacho. Meu amigo Maycon também ficou muito insatisfeito com o personagem dele, que gostaria de formar uma família e ser um cara normal, mas as pessoas no mundo de jogo o olhavam como se ele fosse um aberração - Bem... talvez ele realmente fosse.

Nós decidimos mudar. Quase como uma vingança. Para a segunda sessão, criamos dois personagens, Laertes e Mike, que fariam história nessa e em outras mesas de RPG daquela época. Nossas histórias foram contadas, mas ninguém nunca soube que antes eles foram um hobbit que sofria bullying e um troglodita vítima de preconceito por conta de sua aparência. Mas essas histórias são muitas e meu espaço é pouco. Depois do diário de Déborah, eu volto contando um pouco mais do que passei e algo mais. Valeu!

Vale um comentário dos RPGistas?
"Um único sonho é mais poderoso que mil realidades."
J. R. R. Tolkien

14 comentários:

  1. Oi Felipe!
    Porque você achou traumatizantes? Eu adoro jogar RPG! Comecei ano passado e sou de um dos únicos grupos da minha cidade, só que nós jogamos D&D porque nós conhecemos o sistema dos livros Dungeon & Dragons e o nosso mestre gosta de jogar mais com ele. Ninguém esquece mesmo a primeira vez, eu joguei com o primo do meu colega, Gregory, que é de Brasília. Lá eles jogam também semanalmente só que o grupo mais antigo.
    http://meufilmeviroulivro.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Traumatizante porque as meninas mantiveram meu personagem dentro daquela maldita mochila a sessão toda! Não era forte o suficiente para sobrepujá-las e nem sabia como proceder com aquele abuso! HAhAhAH! Hoje eu rio muito lembrando. Eu jogo D&D há 10 anos e gosto de praticamente qualquer sistema, portanto que o jogo poss fluir bem!
      Bons dados a nós, Ju!

      Excluir
  2. Olá, tudo bem?
    Eu nunca joguei RPG e apesar de ter a imaginação muito fértil, não sei se iria rolar :P Acho que eu me sentiria meio tola, não sei hahahah
    Se bem que eu brincava de harry Potter no Ensino Médio, com varinhas, fazendo feitiços e tudo ahhahaha. Então vai saber. Só mesmo jogando para ver como seria :)
    E super te entendo em seu trauma hahaha. Deve ter sido horrível ficar em uma mochila ahahhaha
    Beijoooos
    http://profissao-escritor.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Eu nunca joguei RPG por falta de companhia :/ Mas morro de vontade! Deve, realmente, ser como você disse: mágico, afinal de contas é totalmente diferente do que estamos acostumados hoje né rsrs...

    ResponderExcluir
  4. minha primeira experiência foi com Vampiro: A máscara. Cara, que saudade de jogar RPG...um tempo atras mestrei pra uns ex-alunos mas a falta de tempo minguou a coisa...
    Adorava jogar Daemon, mas era mais Arkanun, Vampiros mitologicos e Demonios. Anjos a cidade de prata era legal tbm...
    D20, 3D&T...
    adorei o post... a primeira aventura a gente nunca esquece...
    bjs...

    ResponderExcluir
  5. Olá Lipe!
    Gostei de ler sua experiência, embora não tenha achado traumatizante
    Pra ser sincera, meu amigo para mim vc está falando grego. Não entendo nada, nadinha de jogos.
    Fui conhecer vídeo game depois de casada aos 18 anos. Até me aventurei depois junto com meus filhos a jogar e até me lembro do nome Mortal Combat rs
    Mas li com avidez essa parte do seu diário.
    Bjs

    ResponderExcluir
  6. Olá, Felipe! Não conheço nada sobre RPG...rs Uma vez, quando eu era adolescente, (e isso faz muito tempo!rsrs) até tentei, mas acho que não valeu porque todo o grupo também parecia perdido. Na verdade, não é do meu estilo mesmo. Mas achei legais os temas que vocês levantaram.

    Bjs,
    Yohana Sanfer
    http://www.papelpalavracoracao.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Olá Felipe, tudo bem? Nunca joguei RPG, nunca tentei jogar, mas o seu post é realmente interessante para os amantes do jogo. Parabéns!
    http://www.facesemlivros.com/

    ResponderExcluir
  8. Olá! Nunca joguei rpg mas tenho amigos que jogam, meu irmão mesmo jogava, mas nunca me interessei. Apesar da sua mente fértil a sua primeira experiencia foi traumatizante mesmo, mas deve ter melhorado muito já que continua jogando né. Legal seu post, gostei de conhecer mais sobre como funciona o jogo. Ate2 mais.

    ResponderExcluir
  9. Interessante saber sobre sua experiência com RPG. Fiquei curiosa para continuar acompanhando suas aventuras aqui no blog. Vou continuar visitando e comentando, sucesso, bjo
    http://blogaventuraliteraria.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. olá, eu adorava RPGs, pena que quase não tenho tempo mais pra nada :(

    Adorei saber mais sobre situações "traumatizantes" as quais você passou, kkk

    Abraços

    ResponderExcluir
  11. Minha experiência foi boa, acredito que devido ao fato de que recebi ajuda do meu namorado na criação do personagem. kkkkkk Me diverti bastante e continuo jogando.

    ResponderExcluir
  12. Hahaha realmente nunca esquecemos! Joguei pouco RPG presencial. O meu era mais online e com o orkut como plataforma. Jogava em comunidades criadas para isso e com tramas mais elaboradas que os livros nos quais baseamos a história kkkkkkk era muito bom.


    www.cantaremverso.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  13. Oi nunca joguei rpg de tabuleiro, mas não é por falta de vontade, espero ainda ter a oportunidade de jogar um dia, tenho certeza de que deve ser uma experiência bem legal mesmo, seu ppost me fez ficar com mais vontade de jogar ainda.
    Beijooos

    ResponderExcluir

 
© Copyright 2015. Template by LuMartinho.